História dos Hebreus

10-03-2011 00:00

 

PESQUISA SOBRE A HISTÓRIA DOS HEBREUS

1 - CHAMADA DE ABRAÃO

 

Os hebreus eram dirigidos por patriarcas, estes eram líderes políticos, que eram encarados como o “pai” da comunidade.

 O primeiro grande líder, ou patriarca hebreu foi Abraão, segundo o antigo testamento. Abraão era mesopotâmico, originário de Ur, da Caldéia. Abraão conduziu os hebreus de Ur, rumo a Palestina ( terra prometida). Chegaram por volta de 2000 a. C., viveram na Palestina por quase três séculos. Durante esse tempo, Abraão fundou uma cultura religiosa monoteísta. Eles saíram de Ur em direção a terra Prometida confiando na promessa de seu único Deus Jeová de levá-los a uma terra que mana ‘leite e mel’. Depois de Abraão, a liderança foi passando de pai para filho. De Abraão foi para Isaque e depois para Jacó. Este último teve um destaque interessante, pois Jacó teve seu nome mudado para Israel e teve doze filhos, que deram origem as doze tribos de Israel.

2 - ABRAÃO E SUA DESCENDENCIA

Filho de Abraão com Agar, serva egípcia de Sara. O nome de Ismael quer dizer: Deus escuta (Gn 16.11), e este se tornou o progenitor de todos os povos ismaelitas – árabes. Ismael nasceu quando Abraão tinha 86 anos, após 10 anos de viver em Canaã (Gn 16.3). Abraão aos 75 anos de idade havia recebido uma promessa da parte de Deus que haveria de ter um filho dos seus lombos. Dez anos passaram, e Sara instigou a Abraão a tomar sua serva e ter filho por ela. Ouvindo esta palavra humana, e de frente as impossibilidades físicas de sua esposa, Abraão assim o fez e Agar concebeu. Esta decisão impensada e sem a direção de Deus, trouxe grandes e trágicas conseqüências para Abraão e sua posteridade, até os nossos dias. Quando a circuncisão foi instituída por Deus, Ismael tinha 13 anos de idade, e a Bíblia relata que Abraão, Ismael e todos os servos varões de sua casa foram circuncidados no mesmo dia (Gn 17.25). Neste mesmo ano, o anjo do Senhor aparece a Abraão confirmando de que no ano próximo Sara haveria de dar luz a um filho. Quando Isaque nasceu, Ismael tinha 14 anos de idade, e na festa de sua apresentação, Ismael zomba de Isaque (Gn 21.9,10). Este comportamento de Ismael pareceu mal aos olhos de Sara, e em conseqüência, ela pede a Abraão que expulse a Ismael e Agar de sua casa. Esta atitude deixou Abraão penoso, no entanto, o Senhor disse-lhe que ouvisse a voz de Sara, pois o filho da escrava não iria herdar junto ao filho da promessa (Gn 21.12). Agar sai errante pelo deserto de Berseba juntamente com Ismael, a ponto de quase morrer de sede, porém o anjo apareceu a ela, e mostrou-lhe uma fonte de água que trouxe a salvação para ambos (Gn 21.14-21). Partindo dali, Agar e Ismael se dirigiram ao deserto de Parã, ao sul de Canaã, onde a Bíblia relata que Ismael cresceu se fortaleceu e tornou-se flecheiro (Gn 21.21). Agar tomou para Ismael uma esposa egípcia, a qual lhe gerou 12 príncipes. Segundo a promessa de Deus a Abraão, Ismael também seria uma nação, pois era semente dele (Gn 21.13; 25.12-16). Os descendentes de Ismael, ou os ismaelitas, habitaram no norte da Arábia, entre Havilá, Egito e Eufrates, e eram tribos nômades (Gn 25.18). Os irmãos de José, o venderam aos mercadores ismaelitas que viajavam entre Canaã e Egito. Como Jacó, Ismael além dos 12 filhos, também concebeu uma filha, a qual veio ser esposa de Esaú, filho de Isaque (Gn 28.9). Quando Abraão morreu aos 175 anos, Isaque e Ismael sepultaram a seu pai. Ismael tinha 89 anos e Isaque 75. Abraão ao morrer deixou tudo o que tinha para o filho da promessa, Isaque. Tempos depois, Ismael morre e é sepultado com 137 anos (Gn 25.17).

3 - ISAQUE

Isaac, Isaque ou Yitzhak (do hebraico יצחק, literalmente "ele vai rir") é um personagem da Bíblia Hebraica, era filho de Abraão com sua esposa Sara. Após seu nascimento, seu irmão bastardo Ismael foi enviado ao sul e a história do povo judeu segue então a linguagem do filho legítimo de Abraão. Quando ainda pequeno, Isaac foi instrumento da maior prova de fé de Abraão, quando Deus ordenou que ele levasse Isaac ao alto de uma colina para sacrificá-lo. Ao ver que Abraão, resignado e com uma faca pronta para degolar o seu filho, Deus enviou um anjo a segurar sua mão, impedindo de matá-lo. Isaac casou-se com sua bela prima Rebeca, que foi sua única esposa. E Isaque orou insistentemente ao Senhor por sua mulher, porquanto era estéril; e o Senhor ouviu as suas orações. E o Senhor disse a Rebeca: Duas nações há no teu ventre, e dois povos se dividirão das tuas entranhas, e um povo será mais forte do que o outro povo, e o maior servirá ao menor (Gênesis 25;23). Rebeca assim, teve dois filhos, Jacó e Esaú. O filho mais velho Esaú era o favorito do pai e teria o direito às bênçãos de Deus por ser o primogênito. Mas após Jacó ter enganado seu pai, que era muito velho e estava cego, se apresentou a Isaque como fosse seu filho mais velho e o enganou recebendo assim a bênção no lugar de seu irmão Esaú. Logo após os dois brigaram e ao se separarem, Jacó, o favorito da mãe, ficou sendo o herdeiro da tradição hebraica. Esaú por sua vez, daria início à história dos povos árabes. A história de Isaac na Bíblia contém muitos eventos similares a outros ocorridos durante a vida de Abraão. Alguns estudiosos debatem se estas coincidências seriam fruto de um recurso estilístico com a finalidade de fortalecer o laço entre ele e seu pai, ou se seriam resultado do longo período de tradição oral desde o tempo em que Isaac foi vivo até o momento em que o livro de Gênesis teria sido compilado.

4 - JACÓ E AS DOZE TRIBO

Jacó ou Jacob (em hebraico: יעקב, transl. Yaʿaqov, em árabe: يعقوب, transl. Yaʿqūb; no texto grego da Septuaginta: Ἰακώβ; traduzido como "aquele que segura pelo calcanhar"), também conhecido como Israel (em hebraico: יִשְׂרָאֵל, transl. Yisraʾel; em árabe: اسرائيل, transl. Isrāʾīl; no grego da Septuaginta: Ἰσραήλ; traduzido como "aquele que luta com Deus"), foi o terceiro patriarca da bíblia. Jacó era filho de Isaac e Rebeca, irmão gêmeo de Esaú e neto de Abraão. Sua história ocupa vinte e cinco capítulos do livro de Gênesis. Jacó teve doze filhos e uma filha de suas duas mulheres, Léia e Raquel, e de suas duas concubinas, Bila e Zilpa. Ele foi o antepassado das doze tribos de Israel. Seus filhos são Rúben, Simeão, Levi, Judá, , Naftali, Gade, Aser, Issacar, Zebulom, José e Benjamim e sua filha era Diná. ESCADA DE JACÓ "Gênesis 28:11 Tendo chegado a certo lugar, ali passou a noite, pois já era sol-posto; tomou uma das pedras do lugar, fê-la seu travesseiro e se deitou ali mesmo para dormir. Gênesis 28:12 E sonhou: Eis posta na terra uma escada cujo topo atingia o céu; e os anjos de Deus subiam e desciam por ela. " Pode ser erro de tradução, pois os anjos desciam do céu e retornavam a ele.

 

5 - O CATIVEIRO EGIPCIO

Gn 15:13 - Então, disse a Abrão: Saibas, decerto, que peregrina será a tua semente em terra que não é sua; e servi-los-á e afligi-la-ão quatrocentos anos. A questão da duração do cativeiro egípcio é um pouco complicada. De fato, os israelitas ficaram ali por volta de 450 anos (430 ou 400 anos), porém, eles não foram escravos durante esse tempo todo. Ao que parecem, eles viveram por um bom tempo sem sofrer qualquer tipo de trabalho forçado. Isso só seria possível se eles vivessem entre os hicsos, que também eram semitas. Diversos elementos na narrativa mosaica levam a crer que José e sua família habitaram no Egito justamente no período de dominação desses "reis pastores", como eles eram chamados. No entanto, em Êxodo 1:8, lemos sobre o faraó que não conheceu José. Segundo alguns intérpretes, esse seria Ahmose I, o fundador da 18ª dinastia e aquele que expulsou os hicsos do Egito. Foi a partir desse momento que os israelitas foram escravizados, o que daria aproximadamente 200 anos até o Êxodo, que provavelmente ocorreu em meados de 1450 a.C. O que a arqueologia pode dizer sobre a data do Êxodo é muito pouco, quase nada. O papiro de Ipwer, que menciona vários eventos naturais semelhantes aos das pragas (Ex 7-12), parece ser de 1400 a.C., aproximadamente. As cartas de Amarna, que registram o incessante pedido de reis cananeus que estavam sendo castigados pelos hapirus (hebreus?),é da mesma época. De uma coisa podemos ter certeza, os israelitas estiveram no Egito. Semelhanças no vocabulário e nos nomes não surgiriam do nada.

6 - O DESERTO

Nas quatro décadas da caminhada no deserto Deus falou diretamente com Moisés ( Ex 14.15 ...) e deu todas as leis a serem seguidas por seu "povo eleito" ( Ex 20.1-17 ). Os dez mandamentos, o conjunto de leis sociais e penais, as regras dos alimentos, os direitos sobre propriedades... Enfim, tudo foi transmitido por Deus a Moisés, que retransmitia cada palavra ao povo que o seguia. Era o nascimento do Judaísmo.
A caminhada não foi fácil. O povo rebelou-se diversas vezes contra Moisés e contra o Senhor. A incredulidade e a desobediência dos israelitas eram tamanhas que, algumas passagens, Deus pondera em destruí-los e a dar a Moisés outro povo (a primeira vez que Deus "lamenta" ter criado a raça humana está em Gn 6.6). Mas Moisés não queria outro povo. Clamou novamente a Deus para que perdoasse os erros dos israelitas( Ex 32.9,10 ). Porém todos os adulto que saíram do Egito, exceto Calebe e Josué morreram no deserto.

Moisés resistiu firme até à entrada de Canaã, infelizmente não pode entrar, apenas contemplou a terra (Dt 34.4,5 ) e foi levado por Deus. Josué tomou a direção do Povo e tomaram posse da terra Prometida. "Eis a terra que jurei a Abraão, Isaac e a Jacó dar à tua posteridade. Viste-a com os teus olhos, mas não entrarás nela (disse Deus). E Moisés morreu." (Dt 34. 4,5). "Não se levantou mais em Israel profeta comparável a Moisés, com quem o Senhor conversava face a face." (Dt 34.10).
Foram grandes e difíceis batalhas, até tomarem posse por completo de Canaã. Inicialmente o povo era dirigido pelos juízes (Gideão, Eli, Samuel, etc). Mas inconformados com esta situação e querendo assemelhar-se aos demais reinos pediram para si reis, Deus os atendeu (1Sm 8.5 ). Levantou-se Saul o primeiro rei, que foi infiel ao Senhor ( 1Sm 10.24 ), em seguida Davi tornou-se rei, este sim segundo o coração do Pai ( 2Sm 2.1-7 ). Salomão foi o terceiro rei, homem muito sábio e abençoado, construiu o primeiro Templo. Após estes, muitos outros reis vieram, alguns fieis outros infiéis. Muitas vezes tornaram-se um povo sem Pátria. Inclusive nos últimos dois milênios eram um povo disperso pela terra. Somente em 1948 foi restabelecido o Estado de Israel. Os judeus seguem apenas as leis do Torah (Antigo Testamento) até nossos dias. Jesus Cristo não é aceito como filho de Deus. Os livros que o compõe o NT são desconsiderado pela religião judaica. Ainda esperam pelo nascimento do Messias!
Hoje, e apenas uma Nação a mais no planeta e não detém para si nenhuma das promessas bíblicas. As referências existentes na Palavra a respeito de Israel certamente referem-se ao povo formado pelos Eleitos de Deus, espalhados sobre a terra.

7 - ENTRADA NA TERRA PROMETIDA

Diante do povo de Israel, após uma jornada de 40 anos pelo deserto, finalmente se descortinava a terra que manava leite e mel. Vencido um longo e difícil tempo, de grande aprendizado e experiências, chegou o grande momento: entrar na terra Prometida. Ali estava a terra de todos os sonhos, da realização de todas as promessas de Deus. Era o momento de concretizar seus planos. "Levantou-se, pois, Josué de madrugada e, partindo de Sitim ele e todos os filhos de Israel, vieram ao Jordão; e pousaram ali, antes de atravessá-lo", Js 3: 1.

O Jordão é um dos lugares mais baixos da terra. O rio situa-se num vale que, em algumas partes, chega a quase 800 metros abaixo do nível do mar. Para alcançar a terra de Canaã, os filhos de Israel tiveram que descer até as margens do Jordão e agora iria transpô-lo. Com Deus é assim: precisamos descer para conquistar. O descer com Deus tem um significado espiritual importante: é estar disposto a se humilhar e, se necessário, abrir mão de posturas, posições, projetos pessoais e toda altivez da vida. O Jordão é o momento de abandonar nossa incredulidade. Josué colocou o povo às margens do rio. O povo pôde refletir numa grande verdade: os sonhos, que antes pareciam mais distantes do que nunca, após quarenta anos estavam prestes a ser concretizados. Todos estamos sujeitos a certas frustrações, quando, por mais que lutemos, parece não alcançamos o propósito, o sonho. Surge aquela sensação de abandono por tudo e por todos: pais, líderes, amigos e até de Deus. Se Israel fez isso, agora estava vendo que Deus é fiel. Ele estava cumprindo integralmente a promessa.

8 - PERIODO DOS JUIZES

Antes quem julgava os hebreus era o patriarca. Agora havia líderes militares, indicados das doze tribos que julgavam tudo. Esse período se estendeu por uns 300 anos, entre a conquista da Palestina ( chamada  também de Canaã) até o início da monarquia.Entre esses chefes estavam: Gideão, Jefté, Samuel e Sansão, conhecido por sua monstruosa força.

9 - PERIODO DOS REIS

Os filisteus ainda representavam muita ameaça aos hebreus, visto que lutavam pelo completo controle do território da Palestina. Isso fez com que os hebreus instituíssem a monarquia, para poder assim centralizar o poder e ter mais força para enfrentar os adversários.

  9.1 – SAUL 1º REI DE ISRAEL

O primeiro rei hebreu foi: Saul, da tribo de Benjamim. Ele, porém não teve sucesso em enfrentar os inimigos e, em batalha ao ver que não conseguiria derrotar seus adversários, ele e seu escudeiro se suicidam.

 9.2 – DAVI 2º REI DE ISRAEL

Já no século XI a. C. Davi, sucessor de Saul, conseguiu mostrar eficiência  nos combates militares. Venceu os inimigos, tornou a nação hebraica forte e estabilizada. Tinham um exército brilhante e Jerusalém se tornou a capital. Davi conseguiu o grande feito de expandir os domínios do reino.

 9.3 – SALOMÃO 3º REI DE ISRAEL

Seu filho, Salomão, o sucedeu em 966 a. C., este ficou conhecido na história pela imensa fortuna e sabedoria que adquiriu. Tornou-se rei muito jovem, segundo a Bíblia, sua primeira esposa foi à filha de faraó, mas depois dela chegou a ter 700 esposas e 300 concubinas. Ampliou a participação no comércio, construiu várias obras públicas, como o famoso templo de Jerusalém, dedicado a Jeová. Os exageros iam da economia à cultura.

10 – REINOS DIVIDIDOS

Mas havia altos impostos e os camponeses trabalhavam muito nas construções. Isso gerou descontentamento geral que piorou com a morte de Salomão. O resultado foi que com o filho de Salomão, o reino acabou se dividindo. Criando o reino de Israel e o reino de Judá. Com as capitais em Samaria e Jerusalém, respectivamente.

11 – PERIODO DE ESCRAVIDÃO - BABILONIA

 O reino, com isso o reino ficou vulnerável e logo foi levado ao cativeiro pelos babilônios. Estes saquearam o templo em Jerusalém e destruíram tudo. O cativeiro iniciou-se em 587 a. C. e durou até 538 a.C.

 12 – RETORNO DA BABILONIA

 Depois houve o retorno a Palestina e o início da reconstrução das muralhas da cidade, do templo e da própria cidade. Mais tarde, foram conquistados novamente pelos Greco - macedônios e pelos romanos.

 CONCLUSÃO

 Todos esses eventos Hebreus na historio de Israel já na era da Igreja Primitiva, em 70 d.C. Tito, general romano, destruiu Jerusalém e os hebreus abandonaram a Palestina. Esse abandono é chamado de Diáspora. Somente em 1948 foi fundado novamente o Estado de Israel, junto com conflitos com árabes e de outras nacionalidades. Mas somente nos anos 90, foi que surgiram acordos, mas não com paz completa.

 REFERENCIA

http://pt.wikipedia.org